sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Alcymar Monteiro - Frevação (Vol. 4) [2008]



01 - É Dos Coroas Que Elas Gostam Mais
02 - A Festa Acabou
03 - Brinquedo de Carnaval
04 - Bloco da Vitória
05 - Loucura Total
06 - Serpentina Partida
07 - Maracatu Urbano
08 - Comida na Panela
09 - O Bloco da Evocação
10 - Frevo Juventude
11 - Pau-de-Arara
12 - O Frevo Sou Eu
13 - Maracatuá
14 - Caravana

domingo, 2 de fevereiro de 2014

O Frevo no Facebook

Agora temos um espaço no Facebook para circulação de vídeos, discos, partituras e textos sobre o Frevo.
Curta a nossa página e fique mais informado!

https://www.facebook.com/blogofrevo

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Spok Frevo Orquestra - Ninho de vespa [2013]

(Foto: Beto Figueiroa)


Criada em 2003, a SpokFrevo Orquestra vem trabalhando desde então com o intuito de apresentar ao público todas nuances do frevo. Da música frevo. Nada contra a dança, muito menos contra a festa do início do ano. Até acontece, mas não é lá muito comum ver alguém deixar de dançar, pular, largar sua namorada, marido, esposa, amante ou seu caso de carnaval para prestar atenção na beleza e sofisticação do ritmo pernambucano. Com o lançamento de Ninho de vespa, seu mais novo CD, a orquestra mostra que está ainda mais madura e pronta para impressionar plateias mundo afora.
Depois de ter desafiado o conservadorismo da velha guarda de compositores de frevo (os quais Spok chama carinhosamente de mestres e que hoje o apoiam), o saxofonista e líder da orquestra racha o alicerce do o tabu que sugere que o estilo só tem legitimidade e valor se for composto por pernambucanos. Em Ninho de vespa, há composições e a própria participação de autores de “fora” a exemplo de Jovino Santos Neto, Nelson Ayres, Hamilton de Holanda e a dupla responsável pela criação da música que dá nome ao álbum: Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro.
Segundo Spok, a ideia desse disco vem amadurecendo desde as primeiras viagens que a orquestra começou a fazer pelo Brasil após a ótima recepção dada ao primeiro disco do grupo, Passo de anjo (2004). “Pelo caminho, íamos encontrando músicos que sempre admiramos com frevos compostos. Em sua grande maioria, eles são ‘frevos solistas’, para concertos - que precisam de um certo cuidado e que as pessoas possam ouvir sem necessariamente precisar dançar”, explica.
É claro que os conterrâneos também não ficaram de fora. Beto Hortiz (Capibarizando); Nelson Ferreira (O que Nelson gostou), César Michelles (Pipocando) são alguns dos autores locais presentes com composições em Ninho de vespa.

Difusão do frevo
Para Spok, a divulgação do frevo instrumental de rua pelo mundo tem ido “absurdamente bem”. Além de receptividade in loco que ele observa nos países onde a orquestra passa, com concertos e workshops na maioria das vezes prestigiados por um bom público, ele cita outras fontes. “Estão sempre querendo conhecer e entender. Recentemente, me enviaram vídeos de orquestras da Alemanha, Noruega e Ásia tocando a música Passo de anjo. Também é comum maestros estrangeiros de big bands me enviarem sugestões e pedidos de autorizações para executarem novos arranjos do que a gente toca”, informa.
Mesmo conquistando o mundo, o maestro Spok diz que o coração está sempre focado em um lugar. “Em nenhum momento deixei de ser recifense, de ser pernambucano. Não consigo tocar um frevo sem pensar no calor do nosso carnaval. A alma pernambucana está sempre presente”.

Novos projetos
Mal o CD Ninho de vespa saiu e Spok já comenta sobre novos projetos da orquestra. “Temos um outro disco aprovado para gravação, incluindo 15 apresentações de divulgação pelo Brasil, em 2014”.

Faixas comentadas por Spok:
Ninho de vespa (Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro)
“Essa música foi um divisor de águas na minha forma de enxergar o frevo, melodicamente, harmonicamente e até poeticamente, pois, de certa forma, ela retrata situações que já vivi na vida. É um frevo que já continha improviso na versão original e uma harmonia diferente. Ela fez com que a orquestra existisse. Hoje, depois de mais de 20 anos de tê-la escutado pela primeira vez, essa música ainda me emociona”.

Onze de abril (Dominguinhos)
“A muitos anos atrás, fui chamado para gravar essa música mas tive que viajar. Quando voltei e a ouvi, fiquei morrendo de inveja! Então decidi que iria gravá-la. Pensamos em convidar Dominguinhos, porém não foi possível porque ele já estava doente. Foi a única do disco na qual o autor não pode participar”.

Moraes é frevo (Spok)
“Essa eu fiz para Moraes Moreira porque o considero um dos baianos mais pernambucanos. Ele ajudou a divulgar o frevo nacionalmente, tem uma grande importância para Pernambuco. Nós temos até um show chamado Frevo pernambucano, sotaque baiano, no qual tocamos juntos”.

Quatro cantos (Nelson Ayres)
“Tanto no show quanto no disco, consideramos essa música como um momento de ‘frescor’, é como se ela indicasse que não é toda hora que o ninho de vespa está assanhado (risos). Ela lembra frevo de bloco, frevo canção. O arranjo foi feito pelo próprio Nelson Ayres e foi muito prazeroso tocar com ele”.



DOWNLOAD:  Ninho de vespa [2013]
01- Onze de abril
02- Comichão
03- Spokiando
04- Capibarizando
05- Pisando em brasa
06- Quatro cantos
07- Ninho de vespa
08- O que Nélson Gostou (Gostosão/Gostosinho/Gostosura)
09- Tá achando que tá devagar?
10- Debaixo do Frevo
11- Pipocando
12- Cara de carranca
13- Moraes é Frevo



sábado, 18 de janeiro de 2014

Galo da Madrugada - Frevo no Auto do Reino de Ariano (2014)


Download: Frevo no Auto do Reino de Ariano

01 - Um bloco armorial
02 - Frevo no auto do Reino de Ariano
03 - Subindo o passo
04 - Pernambucano de coração
05 - Galo canta com o mestre Ariano
06 - Frevo Ariano
07 - Folia no Reino de Taperoá
08 - Paraibucano de Taperoá
09 - Madrugariano
10 - Um frevo armorial
11 - Ariano menestrel
12 - Carnaval armorial
13 - É da Paraíba
14 - Frevo pro Suassuna
15 - Galo, Ariano e Fantasia
16 - Boca de forno
17 - Só sei que foi assim
18 - Frevariano
19 - Taperoá
20 - Galo armorial

domingo, 12 de janeiro de 2014

Carnaval do Recife: a alegria guerreira

Carnaval do Recife: a alegria guerreira

 Por Rita de Cássia Barbosa de Araújo


No belo conto intitulado Restos do Carnaval, Clarice Lispector relata transportar-se para a infância, reencontrando imagens e sentimentos há muito experimentados e que pensava esquecidos. Lembranças do Carnaval, da cidade e das ruas do Recife em festa. Sua intimidade confundia-se, então, com a da própria cidade. Ambas ansiosas, aguardando o Carnaval. Ambas querendo expandir-se e revelar-se; ambas desejando que "enfim o mundo se abrisse de botão que era em grande rosa escarlate". Com a chegada das festas de Momo, a cidade desabrochava, a paisagem recifense e sua gente encontravam pleno sentido. Nesses dias, era como "se as ruas e praças do Recife enfim explicassem para que tinham sido feitas". Quanto à pequena foliona, poderia finalmente viver "a capacidade de prazer que era secreta" e permanecia contida em si (1).

Não por acaso, a memória da escritora que morou num velho sobrado da praça Maciel Pinheiro, em pleno coração do Recife nos anos 30 deste século, fixou a imagem das ruas e praças da capital pernambucana sendo festivamente ocupadas pelo povo.

Desde meados do século XIX, intensificando-se a partir de 1870, as manifestações carnavalescas passaram a ter curso preferencial mas não exclusivamente nos espaços públicos e ao ar livre da cidade. Ruas, praças, pontes e pátios das igrejas, outrora tão desprezados pelos segmentos da elite e da classe média urbana emergente, viram alterados seu uso e significado social, sobretudo de 1840 em diante. Valorizaram-se com os melhoramentos verificados nos equipamentos e serviços urbanos – nos transportes e nas comunicações, com os calçamentos, iluminação, ajardinamento e arborização das principais vias públicas, saneamento e água encanada. Surgiram novos e suntuosos edifícios que muito contribuíram para mudar a feição urbana do Recife, pontuando-lhe de referenciais arquitetônicos tidos como modernos.

Outros sinais de cultura e civilização vieram somar-se aos primeiros: comércio mais rico e diversificado; imprensa jornalística extremamente dinâmica e produtiva; casas de espetáculos, algumas luxuosas como o Teatro Santa Isabel; instituições de ensino e pesquisa, a exemplo do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, do Gabinete Português de Leitura, do Liceu de Artes e Ofícios e das Faculdades de Direito, de Medicina e de Engenharia.

Os espaços públicos tornaram-se alvo de cobiça por parte das camadas dominantes que se mostraram, desde então, interessadas em ocupá-los não apenas durante seus afazeres diários e pequenos passatempos mundanos, mas também por ocasião da grande festa coletiva em que se estava transformando o Carnaval. Espelhados no modo de vida burguês europeu, passaram pouco a pouco a se identificar com a nova paisagem que se projetava edificar na cidade. Aprenderam a apreciar e a conviver com o espaço público e a desejá-lo mais e mais, procurando conformá-lo à imagem dos grandes centros urbanos d'além mar.

Era também por ocasião das celebrações públicas – festas religiosas, cívicas ou reais e pelo Carnaval – que a sociedade representava a si mesma. Seus vários grupos e classes sociais eram postos lado a lado, o que permitia vislumbrar as relações de força que estabeleciam entre si. A festa expunha a cidade, as camadas dominantes bem o sabiam. Daí o empenho em implantar um outro modelo de festa carnavalesca em tudo diferente dos jogos de Entrudo, desde a origem que lhes era atribuída – herança dos antigos colonizadores portugueses – até a forma de exibição e de participação dos vários sujeitos sociais.

O Carnaval idealizado pelas elites urbanas, com o qual desejaram substituir e eliminar definitivamente o Entrudo do rol das diversões momescas – de resto, tido como selvagem, indecente, bruto, bárbaro e grosseiro –, inspirava-se nos monumentais festejos realizados em Veneza, Roma, Paris e Nice. O Carnaval deveria converter-se num belo espetáculo, produzido pelas camadas ricas e letradas, para ser contemplado e aplaudido por todos. As máscaras eram seus mais elaborados e cortejados objeto e artifício, pois o disfarce permitia ao mascarado fazer a crítica de seu tempo e lugar.


No decênio de 1880 e primeiros anos do século atual, as vias públicas do Recife foram abrilhantadas por cortejos de carros alegóricos e de críticas, confeccionados e levados a efeito pelas sociedades carnavalescas: Cavalheiros da Época, Cavalheiros de Satanás, Os Filomomos, Nove e Meia do Arraial, Conspiradores Infernais e Fantoches do Recife destacavam-se dentre elas.

Fundada em 1892, a Sociedade Carnavalesca Os Filomomos, homônima da importante congênere carioca, constituiu, sem dúvida, um dos exemplares mais representativos deste modelo de festa burguesa que se anunciava culta e civilizada. Uma correspondência de seu primeiro presidente – Antônio Sette Júnior – enviada aos consórcios, revelava claramente a intenção dos organizadores desses espetáculos, bem como a visão que tinham sobre si próprios e sobre os outros, e da missão histórica da qual se julgavam estar encarregados de cumprir: "Constituídos em uma sociedade carnavalesca como nos achamos, sociedade que aliás foi fundada com maior harmonia e boa vontade de todos, no intuito de soerguer essa tradicional instituição de bons ensinamentos morais, mas infelizmente sem prestígio por se achar entre pessoas de baixos costumes, sem educação nem espírito; não devemos poupar esforços para chegarmos ao fim a que nos propomos com todo o gosto e entusiasmo (...)" (2).

Civilizado e civilizador, eis o que pretendiam com seus ricos e bem elaborados préstitos, suas máscaras finas e elegantes, as críticas mordazes dirigidas aos costumes sociais e políticos de seu tempo e lugar, os ditos chistosos e irreverentes. Divertir-se, mas de uma forma edificante e moralizadora, conforme expressava a estrofe do Hino d'Os Filomomos, para o ano de 1903: "Como heróis da gargalhada / Adotamos em geral; / Rir! Folgar! Cantar! Mais nada! / P'ra triunfo da Moral!" (3).

O Carnaval das críticas e das máscaras era exigente, tanto em termos econômicos quanto culturais. Para manejar com maestria o florete da verve, era necessário ter pleno domínio sobre a gramática e estar bem informado sobre os acontecimentos da realidade. Pré-requisitos que excluíam de suas fileiras a imensa maioria da população, composta por pobres e analfabetos, a quem a elite destinava o lugar de humilde espectador do espetáculo por ela produzido. Excludente e elitista, os mais empedernidos defensores da mascarada não hesitavam em tratar como caso de polícia qualquer tentativa de aproximação das camadas populares desta forma de diversão: "Aproxima-se o carnaval, a época da insulsice e da exibição dos bobos; ameaça-nos a inundação das pilhérias insulsas, o transbordamento do espírito de ... vinho. / A polícia deve tomar providências enérgicas, sobretudo contra essa mascarada imbecil de casaca de estopa, máscara de meia, chocalho à cintura e chicote na destra! / Qualquer desses vivos e ambulantes atentados a nossa civilização, seja trancafiado no fundo escuro do xilindró por três dias, por uma semana até! / E não somente esses que se vestem à matuta, outros muitos parvos que infestam as nossas ruas durante os três dias carnavalescos, a berrar-nos ao pé do ouvido em voz de falsete, a atordoar-nos com as suas sandices! / É preciso fazermos algo em prol do alevantamento dos créditos do Carnaval n'esta cidade; é preciso dar o tom álacre e festivo às folias de Momo, mas de um modo compatível com os nossos fôros de povo civilizado!" (4).

Interessante estabelecermos, nesta ocasião, uma comparação entre as atitudes das elites e autoridades públicas do Recife e de Salvador com relação às manifestações populares nos Carnavais das respectivas cidades na virada do século. Aquilo que para determinados membros da elite recifense constituiu um desejo nunca plenamente concretizado – transformar a mascarada popular em prática ilegal –, em Salvador tomou a forma de proibição oficial, sendo publicado em edital datado de 1905, assinado pelo secretário de Estado e chefe de Segurança Pública. O citado documentos proibia terminantemente: "a exibição de costumes africanos com batuques" e colocava sob custódia da polícia os "máscaras maltrapilhos e ébrios" (5).

Malgrado o esforço da elite letrada, o Carnaval burguês de estilo moderno não obteve êxito no Recife. A exceção ficou por conta dos bailes de máscaras nos salões, das críticas jocosas impressas nos jornais e do corso, onde as famílias abastadas divertiam-se atirando confetes, serpentinas e lança-perfumes umas às outras – brinquedo significativamente denominado de Entrudo civilizado.

Os desfiles das sociedades carnavalescas exigiam vultosas quantias que a economia açucareira, em processo de decadência, não podia ou não se interessava em sustentar. O público, queixavam-se seus idealizadores, na maioria ignorante, não compreendia o alcance dos seus esforços e o conteúdo das elaboradas críticas e alegorias, não recompensando seus esforços. Por fim, a polícia, por ignorância ou puro partidarismo político, censurava e proibia a saída de vários carros críticos, quase sempre, daqueles que atingiam os representantes do grupo oligárquico no poder.

Por volta de 1904 o fracasso deste estilo de festa era reconhecido como certo, mesmo pelos mais resistentes e convictos adeptos: "O Carnaval declina a olhos vistos. Degrada-se. Desmoraliza-se". Outros vaticinavam: "O carnaval de máscara há de morrer, como morreu o carnaval dos entrudos (...)" (6). Entre os anos de 1910 e 1912 os clubes de alegoria e crítica deram praticamente seu último suspiro, ficando todas as esperanças dos simpatizantes da mascarada depositadas nos Fantoches do Recife. Em 1932 surgiu uma troça em Olinda, posteriormente convertida no clube de alegoria O Homem da Meia Noite, agremiação existente até hoje e um dos maiores símbolos do Carnaval olindense. As críticas, entretanto, não mais faziam parte dos propósitos do clube, apenas as alegorias. Ainda assim, elogiosas ao regime estado novista, sendo memorável o Carnaval de 1945, quando exibiu alegorias alusivas ao trabalho.

Para aqueles que sonharam ver a cidade representada por espetáculos grandiosos, protagonizados pela gente fina e elegante, admitir o fato tornava-se duplamente penoso, pois, além de significar uma derrota no plano político-ideológico, implicava reconhecer a vitória de um outro Carnaval: o Carnaval popular, contra o qual tanto se opuseram.



Mangue, Mocambo e Carnaval

Os segmentos dominados urbanos, os escravos inclusive, fizeram intenso e múltiplo uso dos espaços públicos das vilas e cidades brasileiras desde os mais remotos tempos coloniais, no que muito diferiram das elites patriarcais. Local de trabalho, aonde se ia antes de mais nada pela obrigação do ganho diário, ruas, largos das feiras, chafarizes e beiras de cais constituíam igualmente áreas em que se movia uma viva rede de sociabilidade e de lazer.

Ao menos nos três primeiros séculos de administração colonial, as autoridades públicas que atuavam em Pernambuco mantiveram uma postura de relativa tolerância com relação às manifestações culturais de rua, desde que se passassem de forma ordeira e pacífica. Festas e procissões religiosas, cantos e bailados dos negros nos dias santos ou de folga – contanto que devidamente autorizados pelas autoridades competentes –, e as funções oferecidas nas ruas e praças por ocasião das comemorações cívicas eram acontecimentos corriqueiros na vida da sociedade colonial. Havia ainda grupos de negros que, por ocasião dos folguedos carnavalescos, saíam às ruas com seus bailados, instrumentos e máscaras.

Mudanças radicais na postura dos governantes vieram a ocorrer, especialmente a partir de 1831, por razões de ordem política, cultural e religiosa. As aglomerações públicas e ajuntamentos de escravos passaram a ser extremamente vigiados e temidos pelas classes dominantes e pelos indivíduos de cor branca. Foi proibida a realização de determinadas práticas culturais, desde, por exemplo, os jogos de Entrudo e o porte de máscara por parte dos escravos nos dias de Carnaval, às máscaras burlescas, representações teatrais e danças nas procissões religiosas.

Quando, já após aquela data, as elites passaram a querer desfrutar as áreas públicas da cidade, o que ocorreu a partir de meados do século findo, se depararam com um espaço pleno de vida e de história, carregado de memória, símbolos e significados para aqueles que o freqüentavam.

Ao tentarem excluir ou mesmo impor limites às ações e à mobilidade espacial das camadas populares nas áreas livres da cidade, depararam-se com forte resistência por parte de seus usuários tradicionais. Assim, apesar das posturas municipais proibirem o Entrudo sistematicamente, pelo menos desde 1822, o jogo continuou a existir por décadas afora. É bem verdade que o entusiasmo em torno do brinquedo d'água e pó se foi arrefecendo com o tempo, devendo-se tal fato muito mais ao aparecimento de outras diversões carnavalescas mais atraentes ao gosto do povo, que propriamente à força da lei. Indiferentes – ou desafiadores? – aos reclamos e condenações de alguns, os diabinhos, morcegos, figuras de alma e da morte, papangus e velhos, quando não os matutos, casacas de estopa, máscaras de papelão ou de meia continuaram cruzando e azucrinando os passeios dos máscaras finos e elegantes.

Da década de 1880 em diante a participação dos indivíduos das camadas populares nos folguedos carnavalescos de rua do Recife tomou novo impulso, tornando-se mais marcante e promissora. Surgiram os clubes pedestres, agremiações carnavalescas populares, cuja denominação aludia à forma de se apresentarem em público: em cortejos processionais, precedidos dos respectivos estandartes, os sócios uniformizados e portando as insígnias da agremiação vinham atrás, formando o cordão. Todo o trajeto – no percurso do qual visitavam ruas e bairros da cidade, homenageando sócios e figuras ou instituições de destaque social – era realizado a pé, acompanhado de música e de cantos, entremeado de paradas nas quais realizavam as bem ensaiadas manobras. O termo pedestre expressava, ainda, uma distinção social, diferenciando estas associações dos aristocráticos clubes de alegoria e crítica, que se exibiam sobre carros, onde se apresentava inclusive a música.

Inspirados no decano Caiadores (1886), os primeiros e mais simpatizados clubes pedestres do Recife adotaram por nomenclatura termos evocativos do trabalho, particularmente na sua fração manual, com a qual estavam acostumados a lidar: Vassourinhas (1889), Pás (1890), Lenhadores (1897), Vasculhadores, Espanadores, Abanadores, Empalhadores, Ciscadores, Carpinteiros, Marceneiros, Sapateiros, Funileiros, Sachadores, Pescadores, Charuteiros, Talhadores, Suineiros da Matinha, Engomadeiras, Quitandeiras de São José, Chaleiras de São José, Parteiras de São José, Costureiras de Saco, Caixeiras, Cigarreiras do Recife, Cigarreiras Revoltosas, Talhadores em Greve, Malhadores em Greve, Mocidade Operária e muitos outros. É importante salientar que, dentre eles, não havia denominações evocativas das coisas da África, no que muito se distinguiam dos blocos das gentes de cor surgidos em Salvador no mesmo período, os quais revelavam grande nostalgia das raízes negras: Embaixada Africana, Pândegos da África, Guerreiros da África entre outros.

A alusão ao trabalho, contudo, embora fundamental, era apenas um entre os múltiplos significados que os nomes de batismo dos clubes populares comportavam. Pincel, vassoura, espanador, vasculhador, ciscador, abanador pertenciam a uma classe de utensílios cuja principal função era limpar, espanar, caiar, clarear, lustrar, assear. Neste ponto, os clubes pedestres filiavam-se a uma antiga noção de Carnaval, segundo a qual a festa representava um momento especial na vida da coletividade, um tempo destinado a passar a limpo os fatos ocorridos na sociedade no ciclo de um ano. Enfim, tratava-se de fazer, a seu modo e com as armas de que dispunham, a crítica aos costumes e à moral. Demonstravam, assim, partilhar de práticas e valores que as elites julgavam e pretendiam exclusivas a seus pares.

Além dos significados simbólicos, esses artefatos – as insígnias dos clubes – eram levados pelos componentes do cordão durante os passeios nas ruas estreitas e parcamente iluminadas do Recife. Confeccionados geralmente com a madeira do resistente quiri de castão de quina – madeira de que eram feitos os cacetes dos capoeiras –, não raro traziam na extremidade, escondidas sob a piaçava das vassourinhas ou sob os penachos dos espanadores, afiadíssimas facas de pontas. Cacetes, facas de pontas – as temíveis pernambucanas –, os pontiagudos canos de ferros dos guarda-sóis e destreza corporal eram elementos importantes num Carnaval em que brigas e desavenças pessoais ou de grupo eram freqüentes e rivalidades entre agremiações congêneres provocavam terríveis confusões, resultando até mesmo em mortes.

Identificados por relações de parentescos, de vizinhança, credo religioso ou por categorias profissionais – laços criados no decorrer da vida cotidiana, muitas vezes interligados entre si –, os componentes dos clubes pedestres eram quase sempre oriundos da classe trabalhadora pobre e remediada do Recife e imediações, então, em pleno processo de formação.

O surgimento dos engenhos centrais por volta de 1870 e, posteriormente, a criação das usinas geraram o que se convencionou chamar de processo de modernização da economia açucareira. Processo que, entre outras coisas, acelerou a proletarização do homem do campo e provocou intensa migração do campo em direção à capital. Tal movimento migratório foi em grande parte responsável pelo crescimento demográfico verificado no Recife entre 1872 e 1920, quando a população mais que duplicou, passando de um total de 126.671 para 238.843 habitantes.

Esse fluxo migratório interno, associado à ausência quase completa da entrada de estrangeiros em massa para a região Norte, teve importância fundamental na composição étnico-social da população recifense, no que muito a distinguiu dos estados do Sul do país. Os indivíduos chegados do interior eram, no mais das vezes, negros e mulatos, ex-escravos ou seus descendentes, muitos dos quais haviam permanecido no campo mesmo após a abolição, na condição de morador, agregado, parceiro, diarista ou assalariado; até que as usinas os expulsassem de suas terras. Em 1872, os indivíduos de cor correspondiam a 55% da população total do Recife, cifra que se elevou para 56% no ano de 1890. A participação de estrangeiros radicados em Pernambuco era irrisória, correspondendo a 1,6% em 1872, caindo para 0,3% em 1890, chegando a 0,9% em 1900 (7).

Em decorrência das transformações havidas no campo, surgiram as primeiras fábricas no Recife, voltadas principalmente para o setor de consumo: têxtil e alimentício sobretudo. Outras atendiam às demandas da própria usina, como fábricas de sacarias, cal e veículos. Na capital, sede do grande comércio de importação e exportação, ampliou-se o número de agências bancárias, expandiram-se as atividades comerciais, os serviços e os equipamentos urbanos.

Compreendida de forma bastante ampla, a classe trabalhadora urbana compunha-se dos contingentes assalariados: operários das fábricas, diaristas, caixeiros, empregados domésticos, funcionários públicos de pequeno escalão. Incluía ainda artistas e oficiais mecânicos, trabalhadores com alguma qualificação profissional, de mais longa existência na história social do Recife, e que gozavam de certa autonomia em relação aos primeiros.

Esse segmento mantinha intensa vida associativa, fundando instituições por ele mesmo dirigidas, as quais seguiam o modelo organizacional das antigas associações em uso na colônia e no Império: irmandades religiosas, sociedades beneficientes, recreativas, dramáticas, musicais e, por último, na escala temporal, carnavalescas e sindicais. Eram, no geral, instituições formais e legalmente constituídas, com registro em cartório, regidas por estatutos próprios que eram submetidos à Questura Policial.

Os estatutos costumavam estabelecer normas e regras de conduta que deveriam ser rigorosamente seguidas pelos componentes das agremiações: clubes, troças, blocos, caboclinhos, maracatus e outros. O bom comportamento era exigido não apenas por ocasião das exibições em público – quando, além do prazer de divertir-se, buscavam obter aplauso e reconhecimento social –, mas, em alguns casos, o pretendido controle estendia-se para outras esferas da vida do trabalhador e de sua família. Disciplinar o trabalhador e educá-lo nos princípios e valores burgueses era intenção de certos clubes populares, no que muito colaboravam com o projeto político-ideológico das elites republicanas e do Estado.

Matéria publicada no jornal do clube Espanadores ilustra bem o propósito educativo de algumas agremiações populares: "Todavia, este Club tem procurado (segundo a forma de pensar de muitos) educar-se nas normas da civilização moderna, desde a sua forma de exibir-se perante o público, até a vida íntima, já pelo seu chiste, já pelos seus estatutos severos, que têm sabido chamar ao terreno da obediência e bom comportamento aos seus associados" (8).

Não era essa, porém, a postura única e comum a todos os indivíduos das camadas populares. Outros sujeitos sociais, situados em igual ou inferior posição na estrutura sócio-econômica do Recife, viam com desdém e sarcasmo a excessiva formalidade dos clubes e blocos, desprezando-os. Deles nada mais queriam que a música esfuziante, o aperto contagiante dos corpos, a onda vibrante e quente do frevo. Para a desregrada negra Isaura, "pedaço de mau caminho" que anima a trama do romance O moleque Ricardo, de José Lins do Rego, "– Carnaval de bloco não presta, não presta não. É colégio. Ninguém pode sair de forma" (9). O que era motivo de orgulho, identidade e meio de ascensão social para uns, o era de deboche para outros.

A negra Isaura – diferente da Odete mulata, filha do presidente do clube Paz e Amor, que queria namorar firmemente Ricardo –, fazia parte daqueles foliões descomprometidos institucionalmente, anárquicos e independentes, que acompanhavam qualquer agremiação desde que lhes agradasse. Trabalhadores braçais, jornaleiros, biscateiros, empregados domésticos e também os capoeiras, vadios, desordeiros, prostitutas e moleques de rua engrossavam os passeios dos clubes carnavalescos pedestres, dando-lhes mais vida e vibração, animando-os com seus gingados, saltos e trejeitos sugestivos e inesperados.

Foi da troca espontânea entre os despretensiosos e ágeis foliões e as orquestras de metal, geralmente formadas por bandas marciais, que, pouco a pouco, foi sendo criada a marcha carnavalesca pernambucana. Ali mesmo, na rua, ao calor dos corpos. Dobrados de inspiração militar, polcas, maxixes, quadrilhas e modinhas foram sendo reprocessados, entre os anos 1905 e 1915, ganhando novas formas e combinações até resultar no frevo pernambucano, embora a música ainda não fosse assim chamada.

Em compensação, os acordes excitantes dos metais repercutiram nos músculos e sentidos daqueles sujeitos sem amarras, inspirando-lhes os movimentos da dança, quase sempre individuais, como se estivessem num permanente estado de alerta, a sugerir agressividade ou defesa. Os capoeiras, desordeiros e valentões que costumavam saltar à frente das bandas de músicas foram fundamentais no processo de criação da manifestação popular. Os golpes da luta, adaptados ao ritmo das marchas e disfarçados da polícia, originaram uma série de passos que vieram a compor o repertório mais ou menos fixo da dança.

A alma do frevo é guerreira e secreta, como a perceberam diversos autores que sobre ele escreveram. O frevo seria, por um lado, o produto cultural mais bem acabado e capaz de expressar o espírito de luta e de rebeldia que tanto motivou o pernambucano ao longo de todo o século XIX: "A essa época a cidade do Recife era um foco de agitação. E Pernambuco um centro de rebeldia. O Estado se transformara em centro revolucionário, pregando nacionalismo, pregando expulsão de portugueses, pregando a República, pregando a libertação dos escravos. As revoluções se sucediam. Os pernambucanos eram presos e fuzilados. O território é mutilado, sendo quase a metade entregue à Bahia, como castigo por esses levantes contra o governo central. Em compensação recebe o nome glorioso de Leão do Norte" (10).

Mas o frevo falava também de seu tempo presente. Ele traduzia o clima de agitação e efervescência vivido pelo Recife no momento de sua formação, entre o final do século passado e início do atual: "O crescimento da cidade, as grandes multidões, a agitação política, a formação da classe trabalhadora, o fortalecimento do movimento operário, as primeiras grandes greves, os melhoramentos do Porto, as reformas urbanas e a perspectiva de modernização, a queda da oligarquia rosista, tudo isso encontrou sua maior expressão no frevo, na força que emergia da grande massa popular que habitava a cidade" (11).

Raça, frevo e nacionalidade

Múltiplo em seus folgares, ritmos, bailados, indumentárias, símbolos e ornamentos, o Carnaval popular do Recife da virada do século foi vítima do preconceito de classe das elites urbanas. Da mesma forma que os mascarados ébrios e maltrapilhos e, antes deles, o brinquedo d'água, os clubes sofreram duras críticas da imprensa. Vistos como andrajosos e repetitivos, sem possuírem espírito algum, foram igualmente considerados como sinais de atraso e ignorância. Os ensurdecedores maracatus, que se conservaram mais próximos das raízes africanas, pareciam surgidos das podridões da cidade, tal o modo pelo qual, muitas vezes, a eles se referiam.

No entanto, pelo que indicam os noticiários dos jornais da época, a visão e o tratamento dispensados pelos membros das elites e pelas autoridades públicas às manifestações populares de rua, que tinham curso no Carnaval, começaram claramente a mudar a partir ano de 1904.

Já se notava, em algumas folhas, um tom mais conciliador ao se referir aos dois Carnavais: o da elite e o popular. O Jornal Pequeno assumiu inovadora postura ao procurar divulgar e incentivar os folguedos populares na cidade. Mas não sem antes lhes propor algumas modificações, de modo a melhor ajustá-los ao modelo de civilização que se desejava para o Recife. A palavra frevo, por exemplo, oriunda do vocabulário popular, foi primeiramente publicada na coluna diária que o jornal dedicava aos festejos, difundindo-a e consolidando-a como expressão de forte significado social e cultural.

Em suas páginas também, no ano de 1910, foram retratadas as primeiras figuras representativas das camadas populares e de cor. Negros e índios passaram a dividir o espaço destinado ao registro iconográfico da festa carnavalesca com personagens do Carnaval europeu: pierrôs, arlequins, dominós, pastoras e bobos da corte.

Os indivíduos da elite e da classe média buscaram isolar-se e manter-se afastados daquela turba de miseráveis carnavalescos, refugiando-se nos bailes ou desfilando em carros ornamentados, entre familiares e amigos. Por volta de 1909, um grupo ligado aos clubes de alegoria e crítica tentou, inutilmente, construir um Carnaval de rua só para si, mas numa outra data, durante a Mi-Carême. Pouco depois, porém, os clubes pedestres passaram a fazer uso da festa, e com muito mais êxito.

A polícia, instância do poder público mais presente no cotidiano das camadas populares, adotou uma nova orientação: passou de violenta, arbitrária e repressora à guardiã dos préstitos das agremiações carnavalescas, ao menos daquelas que se dispunham a colaborar. Os representantes do poder público tencionavam, assim, aproximar-se do povo, do cidadão comum, especialmente da classe trabalhadora, e conquistar-lhe a confiança.

As agremiações carnavalescas populares despontaram como um dos canais mais eficazes para objetivar tal intento. Em parte, por contarem com uma estrutura organizacional pronta, baseada em princípios hierárquicos e consolidada pela tradição. Foram diferenciados, também, por estarem culturalmente mais próximos dos referenciais europeus: lembremos os cortejos processionais, os estandartes, os uniformes dos cordões e das orquestras e a própria música de influência européia, na qual os instrumentos metálicos prevaleciam e davam o tom da festa.

A estratégia política das autoridades, nesse período inicial da República, alcançou uma de suas formas mais maduras com a criação do Primeiro Congresso Carnavalesco em Pernambuco. Idealizado em setembro de 1910 e instalado significativamente no dia do aniversário natalício da República, 15 de novembro do mesmo ano, o Congresso reuniu os jornalistas, a polícia, inclusive o chefe da repartição, Dr. Ulysses Costa, os clubes carnavalescos de alegoria e crítica e os pedestres.

O povo era "a força do poder público", afirmou o Chefe de Polícia por ocasião da sua instalação, e deveria ser respeitado e tratado sem violências. O discurso repercutiu favoravelmente. Buscava-se estabelecer uma nova relação entre o povo e o poder, mais condizente com os princípios republicanos. A polícia, dizia o cronista Dominó Branco, mostrava-se boa e generosa para com o povo, garantindo-lhe o direito de divertir-se e folgar nos três dias dedicados à folia (12).

Esboçava-se, na consciência da elite local, a tendência para reconhecer a existência social dos segmentos populares e dos indivíduos de cor, da classe trabalhadora urbana em especial, que, expressa no contexto da festa carnavalesca, possuía bases sociais mais concretas e duradouras. Distante da esfera da produção, inscrito no contexto favorável de uma festa que pregava o esquecimento do dia a dia, das dificuldades materiais, dos conflitos, intrigas e rivalidades, o Congresso Carnavalesco representou uma tentativa concreta, por parte das autoridades públicas, de estabelecer uma nova forma de convivência política, enaltecendo a igualdade, a união e a harmonia entre classes, etnias, sexos e idades. Ao invés da via policial e repressora que prevalecera até então, a idéia norteadora dos fundamentos do Congresso privilegiava ações integradoras entre o povo e o Estado.

Nos anos 30 a proposta original do Congresso foi retomada, num contexto inteiramente distinto daquele primeiro. O país vivenciava intenso processo de industrialização e urbanização. Frente às mudanças que ocorriam, fazia-se necessário repensar o Brasil. Redescobrir o país e a nação e, obviamente, construir novos símbolos de identidade. Abandonou-se a postura, até então dominante, de querer assemelhar-se aos países europeus a todo custo. O verdadeiro encontro entre a elite e a nação pressupunha um redirecionamento do olhar, voltado agora para o interior do próprio país e para a reinterpretação da sua história.

Em Pernambuco, particularmente, alguns movimentos culturais surgidos nas décadas de 1920 e de 1930 seguiram tal direção. O Movimento Regionalista de 1926 e, antecedendo-o, o lançamento do livro comemorativo do centenário do Diário de Pernambuco, em 1925, encontraram sua forma mais elaborada de pensamento em Casa grande & senzala, de Gilberto Freyre. A noção de que o Brasil formou-se da fusão de três grupos étnicos – o branco europeu, o negro africano e o índio brasileiro – encontrou, na obra de Freyre, níveis de insuperáveis requinte e expressão.

Em 1934, realizou-se, no Recife, o I Congresso Afro-brasileiro, que representava um desdobramento concreto e institucionalizado das idéias contidas em Casa grande & senzala. Intelectuais, artistas, cientistas das mais diversas áreas do conhecimento, pais e mães de santo nele tiveram voz e assento. O Congresso, entretanto, foi alvo de críticas e de acusações por parte de outros intelectuais, que o denunciaram como fomentador de idéias comunistas. Muitos desses intelectuais – tendo à frente o jornalista Mário Melo –, de comum acordo com empresários e altos executivos de grandes firmas estrangeiras prestadoras de serviços, como a Pernambuco Tramways e a The Great Western, conceberam, por sua vez, o projeto de criação da Federação Carnavalesca Pernambucana.


Fundada em 3 de janeiro de 1935, a Federação tinha por explícito e principal objetivo trabalhar a favor da elevação do Carnaval de Pernambuco. Mas, assim como em 1911, renovava a intenção de promover um congraçamento entre as classes sociais, servindo-se mais uma vez das agremiações carnavalescas populares e da possibilidade de manipular o desejo de seus associados de obterem reconhecimento social.

A Federação Carnavalesca também tomou a si a tarefa histórica de reelaborar e difundir símbolos de identidade cultural representativos da nacionalidade brasileira, dando à questão uma dimensão regional.

O Carnaval, enquanto festa pública, forneceu os ingredientes necessários à construção da identidade pernambucana calcada no binômio do nacional-popular. Clubes alegóricos, máscaras avulsos, caninhas verdes e bailes elegantes eram contribuição do branco europeu para a construção do elemento nacional. Os caboclinhos, por sua vez, evocavam os primitivos habitantes da terra. Os maracatus representavam os negros africanos. Os blocos de pau e corda lembravam o Carnaval carioca. Por fim, os clubes pedestres representavam a "união dos três elementos étnicos e tomaram um caráter puramente pernambucano, com a criação do frevo, que é tipicamente nosso", segundo declarou em discurso, na Assembléia Legislativa do Estado, o senhor Fish, primeiro presidente da Federação Carnavalesca e superintendente da Great Western (13).

O frevo mulato era consagrado símbolo de identidade cultural e proclamado fonte de toda a pernambucanidade.


Notas

1 Clarice Lispector, Felicidade clandestina. 5ªed. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1987.

2 Correspondência expedida pelo presidente da Sociedade Carnavalesca Os Philomomos. Recife, 14 dez. 1892 (Mss). Arquivo Mário Sette. Acervo Fundação Joaquim Nabuco.

3 Hino dos Filomomos. O Philomomo, Recife, 22, 23 e 24 fev. 1903, p.3.

4 Olympio Galvão. O Carnaval próximo. Jornal do Recife, 11 fev. 1900, p. 1.

5 Peter Fry; Sérgio Carrara & Ana Luíza Martins-Costa, Negros e brancos no Carnaval da Velha República. In: João José Reis (org.). Escravidão e invenção da liberdade (estudo sobre o negro no Brasil). São Paulo: Brasiliense/CNPq, 1988, p. 232-263.

6 Respectivamente, O Carnaval. Jornal do Recife, 16. fev. 1904, p. 1; Diario de Pernambuco, 20 fev. 1909, p. 2.

7 Peter Eisemberg, Modernização sem mudanças: a indústria açucareira em Pernambuco: 1840-1910. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1977, p. 203 e 219. Sobre as mudanças na economia açucareira, ver ainda Gadiel Perruci, A república das usinas. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1978; Robert Levine, A velha usina: Pernambuco na federação brasileira: 1889-1937. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1980.

8 Espanadores. O Espanador. Órgão do Clube Carnavalesco Misto Espanadores, Recife, 5, 6, 7 mar. 1905, p. 1.

9 José Lins do Rego, O moleque Ricardo. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1987, p. 576. (Ficção Completa, v. 1).

10 Ruy Duarte. História social do frevo. Rio de Janeiro, Editora Leitura, 1968, p. 19.

11 Rita de Cássia Barbosa de Araújo. Festas: máscaras do tempo (entrudo, mascarada e frevo no carnaval do Recife). Recife, Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 1996, p. 406.

12 Jornal Pequeno. Recife, 16 nov. 1910, p. 3.

13 Anuário do carnaval pernambucano: 1938. Recife, Federação Carnavalesca Pernambucana, 1938.


* Rita de Cássia Barbosa Araújo é pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco, Recife (PE), e doutoranda no Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo.



sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Alcymar Monteiro - Frevação (Vol. 3) [2007]



Download: Frevação (Vol. 3) [2007]

01 - Plataforma
02 - Quem canta, os males espanta
03 - Não deixe o frevo morrer
04 - Madeira que cupim não rói
05 - 100 anos de frevo
06 - Os quatro cantos da cidade
07 - Uma canção de amor ao Recife
08 - Porta do olhar
09 - Frevo da saudade
10 - Guerreiros do sol (Fulni Ô)
11 - Frevo nº 3 de Recife
12 - Atrás do farol
13 - Ó tem o som de Ú
14 - Balancê do balanço, ciranda da vida


Valdemar de Oliveira - Frevo, capoeira e passo (Livro) [1942]



Download: Frevo, capoeira e passo (Livro) [1942]

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Alcymar Monteiro - Frevação - Vol. 2 [2006]



01 Não Deixe O Frevo Morrer
02 Mercado da Ribeira
03 Brasil Bom de Bola
04 Recife Manhã de Sol
05 Chuva, Suor e Cerveja
06 Dança de Nore
07 Fica Mal Com Deus
08 Recife
09 Quando o Frevo Passar
10 Restos de Saudade
11 Beijo na Boca
12 Turbilhão
13 Pout Porri Ciranda

Download: Frevação - Vol. 2 [2006]

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Asas da América - Volume I [1981] (link recuperado)


O projeto Asas da América, iniciado em 1981, foi a primeira tentativa sistemática de modernização do frevo, não apenas na roupagem como também nos arranjos e orquestrações. Seu idealizador foi o caruaruense Carlos Fernando, ex-integrante do Movimento de Cultura Popular, compositor desde 1967, quando ganhou um festival com Aquela Rosa, em parceria com Geraldo Azevedo.
Asas da América foi um divisor de águas para o frevo que, qualidades à parte, deixava de ser uma música paroquial, cultuado fora de sua terra natal apenas por aficionados e especialistas. Carlos Fernando conseguiu reunir num só disco, numa época em que isso não era corriqueiro como atualmente, artistas recifenses com os maiores nomes da MPB. A lista ia de Chico Buarque, Gilberto Gil, Caetano Veloso e Jackson do Pandeiro a Marco Pólo, Geraldo Azevedo, Flaviola e Alceu Valença.
O projeto completou duas décadas no ano passado. A efeméride está sendo comemorada com um álbum com três CDs e 47 faixas, contendo uma seleção dos dois LPS lançados no início da década de 80 pela CBS (atual Sony Music), uma continuação do projeto realizada no Recife, apenas com artistas pernambucanos, e o Pinto da Madrugada, dirigido ao público infantil, produzido há dois anos e ainda inédito. Carlos Fernando pretende, em 2003, lançar outra caixa com frevos de mais três discos do projeto (ao todo foram sete álbuns) e um novo Asas da América.
Vivendo entre o Rio de Janeiro e o Recife, ele já produziu um disco de cirandas, Recirandar; de forró, Forró Brasil; cinco Recife Frevoé, e está finalizando o CD Siri na Lata, em que homenageia o bloco homônimo. Em seu apartamento em Candeias, Carlos Fernando comentou o Asas da América e sobre cultura pernambucana, disparando elogios e críticas para todos os lados, uma metralhadora giratória e certeira.

* Confira a matéria completa clicando AQUI.


01 - Alceu Valença - O Homem da Meia Noite
02 - Caetano Veloso - Bom é Batuta
03 - Carlos Fernando & Geraldo Azevedo - Lenha No Fogo
04 - Elba Ramalho - Olha o Trem
05 - Flaviola - Aquela Rosa
06 - As Sereias - Valores do Passado
07 - Elba Ramalho - A Mulher do Dia
08 - Chico Buarque - Salve a Torcida
09 - Gilberto Gil & Jackson do Pandeiro - Sou Eu Teu Amor
10 - Alceu Valença - Pitomba Pitombeira
11 - Marco Polo - Ator Folião
12 - Geraldo Azevedo - Asas da América

Asas da América - Volume II (Link Recuperado)


01 - Geraldo Azevedo - Tempo Folião
02 - Elba Ramalho - Anjo Avesso
03 - Fagner - Portela
04 - Terezinha de Jesus - Cravo Vermelho
05 - Alceu Valença - A Misteriosa
06 - Paulo Rafael - Capucho No Frevo
07 - Amelinha - Sirí Na Lata
08 - Zé Ramalho - Rapaz do Táxi
09 - As Frenéticas - Bye Bye Baby
10 - Marco Polo - Amanhecer
11 - Juarez Araújo - No Passo do Rafa

Asas da América - Volume III (Link Alternativo)


01 - Mpb4 - Batalha
02 - Alceu Valença - Massa Real Madri
03 - Geraldo Azevedo - Cala Boca Menino
04 - Zé da Flauta - Bianos No Frevo
05 - Juarez Araújo - Saxofrevando Pra Mabel
06 - Elba Ramalho - Século XXI
07 - Geraldo Azevedo - Menina Pernambucana
08 - Tadeu Mathias - Cine Marconi
09 - Robertinho de Recife - O Pulo do Passo

Asas da América - Volume IV (Link Recuperado)



01 - Alceu Valença - Voltei Recife
02 - Geraldo Azevedo - Além do Carnaval
03 - João Fernando - Chego Já
04 - Tadeu Mathias - Constelações
05 - Teca Calazans - Bloco Dos Bichos (Como Dois Animais)
06 - Lenine & Lula Queiroga - Grande Fla-Flu
07 - Severo - Alvoroço (Instrumental)
08 - Elba Ramalho - Banho de Cheiro
09 - Alceu Valença - Lenha No Fogo
10 - Teca Calazans - Meu Rebento

Asas da América - Volume V (Link Recuperado)




01 - Caetano Veloso - Noites Olindenses
02 - Luiz Caldas - Bahia Maria
03 - Alceu Valença - Menina Pernambucana
04 - Lulu Santos - Atrás do Trio Elétrico
05 - Moraes Moreira - Festa do Interior
06 - Trem da Alegria - É Ele o Frevo
07 - Chico Buarque - No Dia Que o Cristo Falou
08 - Fagner - Molhadinho de Suor
09 - Michael Sullivan - Mamãe Aparecida
10 - Alcione - Banho de Cheiro
11 - Zé Ramalho - Frevo Mulher
12 - Geraldo Azevedo - Pela Paz

Asas da América - Volume VI



01 - Alceu Valença - Bicho Maluco Beleza
02 - Lula Queiroga - Clube da Farra
03 - Nádia Maia - Outro Carnaval
04 - Marcílio Lisboa - Luar da Madalena
05 - Nena Queiroga - Acorda Caruaru
06 - Hebert Azul - Pierrot Le Fou
07 - Eliane Ferraz - Flor da Lira
08 - Geraldo Azevedo - Tabaco-Leso
09 - Marco Polo - Nem Sempre Lili Toca Flauta
10 - Mônica Feijó - Cante Comigo
11 - Lenine - Eu Acho É Pouco
12 - Rosana Simpsom - Abelha Rainha
13 - Marrom - Micróbio do Frevo
14 - Geraldo Amaral - Belo Capiba

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Do Fiasco da Federação Carnavalesca ao Surgimento do "Banho de Conde"


Leonardo Dantas Silva
No princípio dos anos trinta do século XX, as rivalidades entre os clubes carnavalescos deram origem ao que se convencionou chamar de “carnavais de sangue”…
Apesar da severa repressão da polícia, as rixas entre as agremiações do nosso carnaval continuaram presentes nas ruas e no noticiário policial da imprensa. Tais conflitos tornaram-se uma preocupação não só das autoridades governamentais como de grupos da sociedade; a insegurança era tanta que havia agremiações que para sair às ruas solicitavam a presença de uma escolta da cavalaria.
Em 1932, carnavalescos preocupados com a situação da violência entre os clubes resolveram fundar a Liga Carnavalesca do Recife, em reunião realizada no Clube das Pás, na Rua Velha nº 245. Dois anos mais tarde, precisamente em 26 de dezembro de 1934, um grupo de executivos, alheios ao chamado “carnaval de rua”, atendendo a sugestão do jornalista Mário Mello, iniciaram os contatos para a fundação de uma sociedade civil que viesse aglutinar todas as agremiações carnavalescas.
No escritório do engenheiro J. Pinheiro, da Pernambuco Tramways, empresa concessionária de distribuição de energia elétrica e do sistema de bondes do Recife, esteve reunido o diretor daquela companhia J. P. Fish, o superintendente da The Great Western do Brazil Railway, Arlindo Luz, além dos sr. Camucé Granja e, o pai da ideia, o jornalista Mário Mello, com o objetivo de traçar as bases de fundação do que veio a ser a Federação Carnavalesca Pernambucana(¹) .

Na ocasião foi redigida uma carta circular a todas as agremiações responsáveis pelo Carnaval do Recife que, por sua importância, passo a transcrever:
O Carnaval de Pernambuco é típico e tem sido louvado em toda parte onde dele se tem conhecimento, pela originalidade, de que resultou o nosso frevo. Nota-se, porém, que a muita dispersão de esforços, o que é prejudicial. Pensando nisso alguns elementos sociais, interessados pelos progressos de Pernambuco e para que o Recife se torne cidade de turismo, resolveram fazer a coordenação de todos os elementos numa Federação dos clubes existentes e que de futuro se possa organizar. Para o bom êxito da ideia os seus promotores já se puseram em contato com a maioria dos clubes carnavalescos desta Capital, ficando acertado que a referida Federação seria organizada dentro das bases seguintes:
I – Dada a rivalidade ainda existentes entre alguns clubes, a administração central dessa Federação deverá ser constituída por pessoas de representação e prestígio social, alheias aos mesmos clubes para que possa realizar o seu progresso com imparcialidade, tendo, no entanto, cada clube seus delegados junto à Federação.
II – Obter dos grandes empresários, bancos, negociantes em grosso etc., auxílio para o caixa geral, sem prejuízo das coletas que os clubes costumam fazer entre os seus protetores.
III – Esse auxílio será empregado: a) no programa geral organizado pela Federação; b) no auxílio equitativo aos clubes que tomarem parte no carnaval; c) em prêmios aos clubes que no modo mais condigno se apresentarem; d) no desenvolvimento do turismo.
IV – Moldar o carnaval no sentido do tradicionalismo histórico e educacional, fazendo reviver costumes nossos, tipos de nossa história, fatos que nos educam.
V – Colaborar com os poderes públicos num programa que haja um dia exclusivo para o frevo dos clubes pedestres, sem os atropelos do corso e um dia para os clubes alegóricos.
VI – Organização de comissão para a propaganda do carnaval de Pernambuco nas cidades do interior e dos Estados vizinhos.
VII – Pugnar pela harmonia de todos os clubes, afim de que se possa dar sempre o maior brilho às festividades do Carnaval.
VIII – Propaganda do nosso carnaval, por meio de filmagem e irradiações das nossas músicas no interior.
O documento circular, assinado pelos srs. Arlindo Luz, Superintendente da The Great Western of Brazil Railway Cº. Ltd.;  J. P. Fish, Superintendente da Pernambuco Tramways & Power Cº. Ltd.; Camucé Granja e o jornalista Mário Mello, redator do texto, foi enviada a todas as agremiações carnavalescas, marcando “uma reunião inaugural” para a quinta-feira 3 de janeiro, às 20 horas, “na sede da Federação Pernambucana de Desportos, na Rua da Aurora nº 237”.
Assim, naquela noite, veio a ser criada a Federação Carnavalesca Pernambucana tendo, na ocasião, o jornalista Mário Mello apresentado um e um esboço de estatutos da nova entidade, que deveria pugnar pelos seguintes fins:
I – Procurar a harmonia entre os clubes filiados;
II – Distribuir auxílio equitativo, cada ano, aos clubes que tomarem parte no carnaval;
III – Dar prêmios aos clubes carnavalescos que de modo mais condigno se apresentarem;
IV – Desenvolver o turismo;
V – Moldar o carnaval no sentido do tradicionalismo histórico e educacional, fazendo reviver costumes nossos, tipos de nossa história, fatos que nos educam;
VI – Colaborar com os poderes públicos para a regulamentação e boa distribuição do tráfego, a fim de que não haja prejuízo do frevo que merece apoio, para a sua conservação típica;
VII – Organizar comissões para propaganda do Carnaval de Pernambuco nas cidades do interior e Estados vizinhos, bem como por intermédio do rádio e da cinematografia.
Em memorial enviado à Assembleia Legislativa, assinado pelo presidente J. P. Fish, com data de 26 de agosto de 1936, a Federação Carnavalesca Pernambucana informa dispor de 165 agremiações filiadas e reivindica o seu reconhecimento como de utilidade pública e a concessão de uma subvenção anual para a realização do carnaval.

Naquele memorial, depois de descrever as origens históricas do Carnaval do Recife, enfatiza:
Esses agrupamentos carnavalescos viviam em ambiente de rivalidade tal, hostilizavam-se de tal maneira que havia receio de irem às ruas as pessoas pacatas, porque o encontro de dois clubes carnavalescos era sinal de derramamento de sangue. Vitorioso, era o clube que deixava nas ruas maior número de feridos e até de mortos. “Os compositores faziam músicas especiais para o momento do encontro, conhecidas como abafadoras, não só para superar a orquestra do clube adversário, como para excitar à luta os próprios partidários.”
— Esse tipo de composição, também denominada de frevo coqueiro, é formada por uma linha melódica maleável, leve em notas mais ou menos longas a exigir mais apuro por parte dos trombones e trompetes, de modo a tornar inaudível a orquestra do adversário.
Submetido às comissões, foi o projeto relatado pelo então deputado Artur Moura, onde ressalta o serviço que vem prestando a nova instituição em favor da organização do carnaval, ordem pública, educação, preservação moral dos costumes e ideologias dos grupos carnavalescos, bem como saúde pública, “no seu largo sentido e atua, sobretudo quanto às classes mais pobres como sedativo de incontestável eficácia”.

Adianta em outro parágrafo que a diretoria da Federação era formada por elementos estranhos aos quadros sociais dos clubes filiados, sendo constituída de “pessoas do mais alto e merecido conceito intelectual e moral”, salientando:
A Federação realiza um largo programa. Transforma cada associação carnavalesca em um núcleo educativo. Proíbe qualquer preocupação político-partidária; guerreia as ideias subversivas da ordem constitucional vigente no país; defende o respeito à lei e a autoridade pública encarregada de aplicá-la, transforma os fúteis motivos carnavalescos em oportunos pretextos para fortalecimento no nativismo sadio e construtor.
Não se diga que os festejos carnavalescos, presididos pela Federação atentam contra o tradicional sentimento religioso e os costumes do nosso povo.
Muito ao contrário disto o frevo se afigura um derivativo. Na sua expansiva inocência se acolhem e satisfazem as famílias que receiam o perigo dos salões supercivilizados, onde o éter e o champagne comumente justificam o sacrifício dos bons costumes.
Como se depreende do memorial assinado por J. P. Fish, referendado pela exposição de motivos do deputado Artur Moura, existia então uma preocupação bastante acentuada quanto às ideologias em voga, o comunismo e o integralismo, que, segundo o presidente da Federação, poderiam atingir os clubes carnavalescos.
A nova instituição, segundo se depreende da leitura da documentação oficial publicada no Anuário de Carnaval Pernambucano 1938, funcionava como uma espécie de tutora, exercendo por vezes uma censura oficializada, das agremiações carnavalescas; atividade vista com simpatia naqueles tempos de Getúlio Vargas. – No seu memorial dirigido à Assembleia Legislativa, o presidente J. P. Fish chega a enfatizar:
Outro aspecto que não deve ser silenciado é a cooperação que prestamos à ordem pública. Proibida, terminantemente, qualquer manifestação de caráter político em seu seio ou no de seus clubes filiados, cujos estatutos são por nós revistos e consertados, fazemos tenaz propaganda contra ideias extremistas, por meio de doutrinação, evitando assim que os elementos de nossos clubes se contaminem, e até mesmo indicando o bom caminho aos periclitantes.
Ninguém melhor do que a Secretaria de Segurança Pública, que, a nosso convite, tem um representante permanente junto a nós, conhece esta face de nossa cooperação com o poder público, que, por sua vez, tanto nos tem ajudado.
Mas nem só o carnaval era a preocupação dos criadores da Federação Carnavalesca Pernambucana. Do memorial de J. P. Fish e da exposição de motivos do deputado Artur Moura, a quem coube relatar o projeto nº 70/1936, que veio dar origem à Lei Estadual nº 212, sancionada pelo governador Carlos de Lima Cavalcanti em 3 de dezembro de 1936, se depreende uma preocupação bastante acentuada quanto às ideologias em voga, muito especialmente com o comunismo, que  poderiam vir atingir os quadros sociais dos clubes carnavalescos. A nova instituição funcionava como um órgão de tutela, exercendo por vezes a censura oficializada, atividade vista com simpatia naqueles tempos de Getúlio Vargas:
A Federação realiza um largo programa. Transforma cada associação carnavalesca em núcleo educativo. Proíbe qualquer preocupação político-partidária; guerreia as ideias subversivas da ordem constitucional vigente no país; defende o respeito à lei e à autoridade pública encarregada de aplicá-la, transforma os fúteis motivos carnavalescos em oportunos pretextos para fortalecimento do nativismo sadio e construtor.
Desse modo foi a Federação Carnavalesca Pernambucana criada por um grupo de elementos estranhos ao Carnaval do Recife, sob a inspiração do jornalista Mário Mello, tendo como primeiro presidente um norte-americano, J. P. Fish, conhecido popularmente como “Mister Ficher”.

De tanta organização surgiu um episódio curioso contado pelo jornalista Selênio Homem de Siqueira ao lembrar que, na sua programação carnavalesca a Federação Carnavalesca Pernambucana programou para a Praia do Carmo, em Olinda, um banho de mar a fantasia com o patrocínio da Pernambuco Tramways, através de Mr. Fish, com a presença das mais tradicionais agremiações do carnaval do Recife.

No domingo aprazado, uma maré alta de lua cheia tomou conta das linhas do bonde, na altura de Salgadinho, e interrompeu o tráfego dos elétricos na antiga Estrada de Luís do Rego, que ligava o Recife à Olinda, tornando, assim, impossível o acesso ao Carmo.

Os carnavalescos, devidamente fantasiados, tiveram que cruzar a água do mangue a pé, encharcando suas fantasias, para nesse estado atingir o Varadouro e a Praia do Carmo, onde fora armado um grande painel de fogos de artifício comemorativo.

Como uns “pintos molhados” lá foram os carnavalescos do Recife participar do propalado “banho de mar a fantasia”…
A verve olindense, insuflada pela velha rixa dos habitantes de Olinda para com os do Recife, originária ainda dos confrontos acontecidos no século XVIII, não deixou passar despercebido tal fiasco…

Surgiu assim Banho de Conde, um frevo ainda hoje cantado nas ruas e ladeiras da Velha Marim, composto por Wilson Wanderley e Clídio Nigro, gravado pela Fábrica Rozenblit no disco Carnaval de Olinda (LP 20.000 – 1979), cuja letra relembra a importância do “padroeiro Ficher” nos festejos carnavalescos de então:
Mandei formar,
a turma
Pra tomar banho,
na beira do mar
Não vou ficar,
molhado
Mas vou dar água
pelo Carnaval
Vem! … vem padroeiro Ficher!
Vem, vem acender o painé! 
Não mergulhei, mas molhei
Banho de maré tomei
________________
1) Anuário do carnaval pernambucano 1938. Recife: Federação Carnavalesca Pernambucana, 1938.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Orquestra Popular da Bomba do Hemetério - #CabeçaNoMundo [2012]


Após três meses escrevendo as músicas e arranjos e duas semanas gravando em estúdio, a orquestra composta por 21 músicos e 6 técnicos traz um novo trabalho com 12 faixas, sendo seis instrumentais e seis com letras. Maestro do Forró, quem comanda a OPHB, disse que "após 10 anos de existência, observamos a mudança na autoestima das pessoas do bairro, dos recifenses e do Brasil como um todo e tudo isso está em Cabeça."
Segundo Renato Teodoro, percussionista, viagens para fora do país também tiveram influência neste álbum. "Fomos para Cuba, Europa e Estados Unidos. Com isso trouxemos novos ritmos e batidas, mas ainda somos muito enraizados no Recife," afirmou o músico.
#CabeçaNoMundo conta com três participações especiais. Para Maestro Forró, a com Lirinha foi a mais inusitada: "Sempre tive uma vontade de ouvir Lirinha cantando frevo de bloco tradicional, com aquela voz teatral dele. E ele sempre quis cantar uma música sobre o Recife e com isso nasceu a nona faixa, Recife Iluminado."
Com Fred04, a orquestra fez um novo arranjo de Meu Esquema, um dos hits de Mundo Livre S/A, tornando-a um frevo com um pouco de forró no meio. Já o professor Marco Cesar e seu bandolim participam de Formigando, música composta em homenagem ao Mestre Formiga, Ademir Araújo.

(Via JC Online)





Download: #CabeçaNoMundo [2012]

Músicas:
01 - Frevo de bolso
02 - Rainha se coroou
03 - Tô doidão
04 - Formiguiando
05 - Fole assoprado
06 - Meu esquema
07 - Chey de dengo
08 - Oia a virada
09 - Recife iluminado
10 - Vamos cirandar
11 - Cabeça no mundo (remix)